::    ::    Home Vivos! a História  | FALE com o Vivos! | Mapa do Site    


       
       
 
        
 
   ::  Andando no Espírito
   ::  Adorar
   ::  Adorar, porquê?
   ::  Adoração, é tempo...
   ::  Adoração Profética
   ::  Adoração um estilo de vida
   :: 
Adoração Verdadeira
   ::  Adoração Viva
   ::  Adoradores injustiçados!
   ::  Adorando a Deus 
   ::  Agentes de reconciliação
   ::  Alegrai-vos no Eterno
   ::  Alegrai-vos no Senhor
   ::  Amar a Deus, o que é?
   ::  Ame ao seu próximo!
   :: 
Ânimo Servo!
   ::  
Anjo da Guarda, Existe ?
   ::  Ansiedade & Preocupação
   ::  Aprendendo ser servo!
   ::  Arrependimento e avivamento
   ::  Avivamento sua responsabilidade
   ::  Bateristas, ouçam!
   ::  Bênção de Deus
   ::  
Bênção & Maldição I
   :: 
Bênção & Maldição II
   ::  
Carta aos Eleitos
   :: 
Casamento Abençoado
   ::  Casamento, Criado por Deus
   ::  Casamento: Instituição divina
   ::  Casamento e a Bíblia
   :: 
Casamento Misto
   ::  Casamento Sólido
   ::  Casamento: 3 bases principais
   :: 
Céu, um Paraíso!
   ::  
Chamados e Capacitados
   ::  Chamados para adorar
   ::  Chamados para servir
   ::  Como conhecer a Deus?
   ::  Comportamento do Crente
   ::  Compositores, ouçam!
   ::  Conflito Matrimoniais: A solução!
   ::  Crentes de bem com o mundo
   ::  Crentes ou discípulos?
   ::  Deus, presença real
   ::  Dirigentes de louvor, ouçam!
   ::  Dons Espirituais, exercite!
   ::  
Dons Hoje: Línguas 
   ::  Ensaios, reflexo de bênçãos!
   ::  Equipes de louvor, ouçam!
   ::  Escolhidos do Senhor
   ::  Esta foi a sua vida - Quadrinhos
   ::  Eternamente protegidos!
   ::  Eu te quero Deus!
   ::  Expressões de Adoração
   ::  
Fé uma condição de vida!
   ::  Filhos de Pastores, ouçam!
   ::  Filhos: o que a Bíblia ensina?
   :: 
Fofoca, Calúnia, Dif. e Mentira
   ::  Guiados pelo Espírito Santo
   :: 
Histórias Bíblica para Crianças
   ::  Homens Renovados!
   ::  Humildade, uma qualidade!
   ::  Idolatria Gospel!
   ::  Igreja Vitoriosa
   ::  
Imagens as Possuímos ?
   ::  Instrumentistas, ouçam!
   ::  Integridade, uma qualidade!
   ::  
Jejum é Bíblico !
   ::  Jesus, o filho de Deus
   ::  Jesus Cristo, Amigo e Sacerdote
   ::  Lar Cristão
   ::  Língua, o mal uso
   ::  Louvando com ordem
   ::  Louvando do lado errado
   ::  Louvor e Adoração
   ::  Louvor e Adoração - Definição
   ::  Mãe, a arte de ser
   ::  Mágoa, Cárcere da Alma
   ::  Marcas de Cristo
   ::  Ministrando Louvores
   ::  Missões - O marketing do apelo
   ::  Música, o Oscar vai para...
   ::  Música belas e a hipocrisia
   ::  Musicalidade, indispensável?
   ::  Músicos são discipuladores!
   ::  
O Dom do Espírito  Santo
   :: 
O Joio na Igreja
   ::  Orai sem cessar
   ::  Oração: Comunhão com Deus
   ::  
Oração: Falar com Deus
   ::  Orgulho é igual a queda
   ::  Pai, a arte de ser
   ::  Pastores infiéis: Aí de vós...
   ::  
Paulo, Exemplo de Fé
   ::  Perdoar para ser perdoado!
   ::  Poder para testemunhar
   :: 
Política - Participar ?
   ::  Posicionamento no Reino de Deus
   ::  Prosperidade, para todos?
   ::  Radicais ou Racionais?
   :: 
Retroceder na Fé, Jamais!
   ::  Reverência na adoração
   ::  Robôs na adoração
   ::  Sacerdócio no Lar
   ::  Seguindo a Verdade
   ::  Servo ou Religioso?
   :: 
Sexo, uma bênção!
   ::  Simplicidade no culto a Deus
   :: 
Socorro nas Tribulações
   ::  Submisso às Autoridades
   ::  Tempo de Colheita
   ::  TESTEMUNHO: Elias R. Oliveira
   ::  Trazendo a arca
   ::  
Últimos Dias na terra
   ::  
Uma Nova Vida
   ::  Unidade Familiar
   ::  
Vamos à Casa do Senhor
   ::  
Vencendo as Tentações
   ::  Venha para a Luz
   ::  Vida de Servo de Deus
   ::  
Vivendo com Cristo

  ::  Zelo, uma qualidade!
 
 
 

 

 

O DOM DO ESPÍRITO SANTO

Sem força, sem nenhuma energia para fazer o bem: tal é o estado ao qual o pecado reduziu o homem. Ele não somente caiu sob a escravidão do pecado — o que faz necessária a sua redenção—  mas também se viu reduzido a um estado de impotência, sem poder agradar ou servir a Deus.

Para compensar esta falta de força, devemos possuir um poder. Este nos é indispensável tanto para nos libertar de nossa paralisia interna, produzida pelo pecado, como para nos permitir servir ao Senhor nas diversas circunstâncias exteriores. Deus nos tem dado este poder, e o maravilhoso é que Ele enviou o Seu Espírito para habitar em nós. Algo menos que isso poderia parecer suficiente, mas, em Seu amor e sabedoria, Deus quis que o Espírito Santo — pessoa divina—  fosse a energia ativa do crente. O Senhor ressuscitado, prestes a subir ao céu, disse aos discípulos: “Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas” (At 1:8). Esta elevada bênção foi cumprida dez dias mais tarde, no dia de Pentecostes.

  Nascido do Espírito e Habitação do Espírito

Em Ezequiel 36 e 37 formulam-se profecias que dizem respeito ao novo nascimento e à vivificação que se cumprirão no remanescente de Israel, a fim de prepará-lo para a bênção milenar. Nestes dois capítulos também é abordado o dom do Espírito Santo. “Porei dentro em vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis” (Ez 36:27), e ”Porei em vós o meu Espírito, e vivereis” (37:14). Disto resultará para Israel uma vida espiritual que se manifestará por meio de uma obediência ativa à vontade de Deus.

Outras passagens do Antigo Testamento contêm promessas semelhantes. Por isso o apóstolo Pedro explicou no dia de Pentecostes que o que acabava de acontecer era a concretização da profecia de Joel (At 2:16-21; Jl 2:28-32). Contudo, o dom do Espírito Santo no dia de Pentecostes implica uma plenitude e uma permanência pouco  consideradas  no Antigo Testamento.

O novo nascimento é produzido pelo Espírito Santo. Disto resulta uma nova natureza, que é espiritual em seu caráter essencial. Isto, não obstante, deve ser distinguido da morada do Espírito dentro de homens já nascidos de novo.

É muito útil compreender que o poder do crente está unido não à sua nova natureza, mas sim à efetiva habitação da pessoa do Espírito Santo nele. O capítulo 7 da epístola aos Romanos narra a experiência de alguém que é nascido de novo, visto que possui “o homem interior”, o qual se deleita na lei de Deus (v. 22). Portanto, aprova o que é bom e o deseja ardentemente, mas vê-se incapaz de praticá-lo. Só no capítulo 8, depois de o crente ter contemplado a Cristo, seu Senhor (7:25), lemos: “a lei (ou autoridade) do Espírito da vida em Cristo Jesus te livrou da lei (ou autoridade) do pecado e da morte” (Rm 8:2). A força que liberta encontra-se em Cristo e em Seu Espírito. Em nós mesmos, não temos nenhum poder, ainda que tenhamos uma nova natureza.

Isto é particularmente certo para dar testemunho acerca do Senhor ressuscitado. Em Lucas 24:49 e Atos 1:8 o Senhor indica claramente a Seus discípulos que eles devem esperar ser revestidos de poder antes de se tornarem Suas testemunhas. Considere que eles tinham seguido ao Senhor durante três anos e o Espírito tinha operado neles. Ademais, tinham recebido instruções excepcionais da própria boca do Senhor. Apesar disso, todos esses privilégios não lhes conferiam força suficiente. Qualquer que tenha sido a sua diligência para empreender o testemunho, faltava-lhes eficácia até que o Espírito tivesse sido dado. Mas, a partir desse momento, a boca deles foi aberta e com que notáveis resultados!

  Cheio do Espírito

No dia de Pentecostes, os discípulos não receberam simplesmente o Espírito para que habitasse neles, antes “todos ficaram cheios do Espírito Santo” (At 2:4). Quando um crente está cheio do Espírito, sua carne se torna inativa e nada pode opor-se a Seu poder. Vemos isto em Estevão, que estava “cheio de fé e do Espírito Santo”, “cheio de graça e poder”. Os seus adversários não podiam “sobrepor-se à sabedoria e ao Espírito pelo qual ele falava” (At 6:5, 8, 10 e 7:55). Incapazes de lhe resistir, usaram a violência como único recurso.

Estar cheio do Espírito não é um estado permanente, ao passo que ser habitado por Ele é. Com efeito, Pedro foi cheio do Espírito pelo menos duas vezes (At 4:8 e 31). No entanto, todos os crentes são exortados a encher-se do Espírito (Ef 5:18). Pode parecer estranho que tal condição seja comparada ao ato de se embriagar com o vinho. O vinho tem influência sobre o comportamento do homem; quem dele abusa sente-se agitado e já não se controla. A ação do Espírito não tem nada que ver com essa influência. Aquele que está cheio do Espírito controla os seus atos ao  mesmo tempo que é dirigido de maneira conveniente e divina. De fato, nesta passagem, como em toda a epístola aos Efésios, o que é muito mau é colocado em oposição ao que é muito bom.

Quando um homem está cheio do Espírito, toda ação carnal é excluída. Todas as coisas que ocupam os nossos  pensamentos, o nosso tempo e a nossa energia limitam o poder do Espírito. E não se trata apenas das coisas evidentemente más, mas também de todas aquelas profanas e sem proveito. Por isso a exortação: “E não entristeçais o Espírito de Deus” (Ef 4:30). Quando O entristecemos, Ele continua morando em nós, pois a Palavra nos diz que fomos selados com o Espírito Santo para o dia da redenção (Ef. 1:13-14), mas o gozo e o poder espiritual se perdem. Experimentamos com tristeza este estado até o dia em que nos julgamos e deixamos de lado o que tem entristecido o Espírito, que pode ser a mentira, a ira, as palavras torpes, a amargura, as blasfêmias (Ef 4:25-31). Todas essas coisas são contrárias à ação do Espírito na esfera individual ou na coletiva.

Andar no Espírito

Como podemos conhecer o poder vitorioso do Espírito em nossa vida? A epístola aos Gálatas dá a resposta resumida nesta exortação: “Andai no Espírito” (Gl 5:16). Depois de termos crido no Evangelho, Deus nos dá o Seu Espírito, o qual nos sela, mostrando assim que somos Sua propriedade. Depois disto devemos andar no Espírito. De forma prática, Ele deve ser a fonte e a energia de nossa vida. O andar é uma expressão figurada de nossas atividades. Pensamentos, palavras e atos, tudo deve ser submetido ao controle do Espírito. Desta maneira, não satisfazemos os desejos da carne, os quais são anulados pelo poder do Espírito.

De maneira figurada, podemos dizer que a nossa vida está cheia de semeaduras e de colheitas. Cada dia saímos com cestos de diferentes sementes. Podemos meter a mão no cesto da carne e semear para a carne, ou podemos buscar no cesto do Espírito e semear para o Espírito. Podemos ceder à influência das coisas que satisfazem a carne, ou, pelo contrário, ocupar-nos com as coisas do Espírito e, assim, semear sementes produtivas para a glória de Deus (Gl 6:7-9). Na prática, “andamos no Espírito” quando estamos ocupados com os interesses do Senhor e nos alimentamos dEle.

As quedas graves não são as únicas que nos privam do poder do Espírito. Com freqüência é suficiente uma falta de concentração nas coisas de Deus. O Espírito toma do que é de Cristo e no-lo comunica; mas Ele pode estar entristecido devido à nossa preguiça espiritual. Se você fosse dar alguma notícia importante a um amigo e ele o interrompesse sem cessar para falar de coisas triviais, certamente você daria por terminado o seu relato e ficaria entristecido e decepcionado. Da mesma maneira, o Espírito é sensível a tudo o que diz respeito à glória de Cristo. Tanto O entristece a falta de atenção como o fato de nós pecarmos. Peçamos a Deus que nos mostre até que ponto a nossa falta de poder espiritual é resultado disso.

O Espírito, Poder de Serviço

O apóstolo Paulo é um exemplo para os crentes. Observemos, pois, os resultados da ação do Espírito em sua vida de serviço. No período de quase vinte e cinco anos, ele evangelizou diferentes povos que ocupavam vastos territórios. Tal obra não poderia ter sido realizada sem a energia comunicada pelo Espírito de Deus. A sua pregação caracterizava-se pela simplicidade (1 Co 2:1-5); todos os ornamentos da eloqüência humana tinham sido colocados de lado, a fim de que o ato central da cruz fosse visto claramente. As suas palavras eram “demonstração do Espírito e de poder”. Assim, as pessoas convertidas por intermédio dele tinham uma fé que não descansava “em sabedoria humana; e, sim, no poder de Deus”.

Em si mesmo, ele não era mais que um “vaso de barro”, mas por meio dele resplandecia o “conhecimento da glória de Deus na face de Cristo” (2 Co 4:6-7). Através do Espírito, seu serviço tinha um caráter vivificante (2 Co 3:6). Nos duros combates pelo Evangelho, as suas armas eram espirituais. Ele derrubava os poderes satânicos entrincheirados no espírito dos homens sob forma de pensamentos orgulhosos e raciocínios opostos a Deus.

Os crentes resultantes desse ministério eram a “carta de Cristo... escrita.., pelo Espírito do Deus vivente” (2 Co 3:3). O Evangelho não tinha chegado a eles “tão-somente em palavra, mas sobretudo em poder, no Espírito Santo e em plena convicção” (1 Ts 1:5).

O Espírito Santo é um “espírito... de poder, de amor e de moderação”, a fim de que o crente possa servir ao Senhor participando “dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus”, ao mesmo tempo que guarda um equilíbrio sadio em sua atividade (2 Tm 1:7-8 e 14). Para o servo de Cristo, o Espírito Santo é, por Sua vez, fonte de poder e de fidelidade.

O Espírito, Poder de Unidade

No dia de Pentecostes, o Espírito Santo veio à igreja, a qual passou a ser, desta maneira, “habitação de Deus no Espírito” (Ef 2:22). O Espírito Santo faz igualmente sua habitação em cada crente (2Tm 1:14 e 1Co 6:19). Estas duas habitações, ainda que muito relacionadas, devem ser distinguidas uma da outra.

As bênçãos que até aqui temos estudado resultam da habitação do Espírito no crente. Elas são muito preciosas; não obstante, as bênçãos ligadas à Sua habitação na igreja conduzem a um terreno mais elevado: o do corpo de Cristo, o da união dos crentes com Cristo e entre si. O Espírito é um poder de unidade: “Em um só Espírito, todos nós fomos batizados... e a todos nós foi dado beber de um só Espírito” (1 Co 12:13; ver também 2 Co 1: 21-22).

O Espírito permite o harmonioso funcionamento do corpo de Cristo (1 Co 12:11). Ele promove, em particular, uma doce comunhão entre os santos (Fp 2:1) e cria neles um poderoso amor, que é a base de todo serviço (2 Tm 1:7). O apóstolo Paulo, depois de ter exposto os belos resultados deste amor manifestado na liberalidade entre os crentes, declara: “Graças a Deus pelo seu dom inefável” (2 Co 9:15). Certamente esse dom inefável é o Senhor Jesus, mas também é o dom do Espírito para cada crente e para a Igreja, uma “superabundante graça de Deus”, da qual somos beneficiários.

F. B. Hole
 



 
       
         
     

 
     
  Busca Vivos!
Pesquise dentro do site Vivos!
 
 
       
         
       
       
       
       

  Brasil Espírito Santo   "Os vivos, somente os vivos, esses Te louvam como hoje eu o faço"  Is 38.19  

     
     

Translate / Traducir